Corregedor ameaça punir presidentes de TJs que não entregaram informações sobre contratações irregulares

by

BRASÍLIA – O corregedor nacional de Justiça, ministro Gilson Dipp, disse nesta quarta-feira que os presidentes de seis tribunais estaduais poderão ser responsabilizados judicialmente, até mesmo por improbidade administrativa, por não terem informado ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) dados sobre os ocupantes de cargos comissionados em seus quadros. Segundo ele, a omissão dos dados é mais grave que o descumprimento de resolução do CNJ.

As cortes tiveram mais de seis meses para cumprir a resolução nº 88 do CNJ, de setembro de 2009, que as obrigou a enviar as informações sobre pessoal ao órgão de controle externo do Judiciário. Na lista de magistrados sob ameaça estão os presidentes dos TJs do Rio e de Minas.

Como O GLOBO informou nesta quarta-feira, em 13 tribunais estaduais mais de 50% dos cargos comissionados – de livre nomeação por juízes ou chefes de setor – são ocupados por funcionários sem qualquer vínculo com a administração pública, o que contraria a resolução do CNJ. O levantamento também mostrou que outros dez tribunais têm comissionados ocupando cargos proibidos a eles, e 22 tribunais exigem dos servidores carga horária menor ou diferente da prevista pela norma.

Dipp disse que a falta de transparência aumenta a suspeita de nepotismo no Judiciário:

– Pelo menos, os outros (tribunais) estão demostrando suas dificuldades, tentando justificar, bem ou mal, o que está acontecendo. Agora, quem sequer entrega a informação ou é negligente ou está escondendo alguma coisa. A improbidade, a responsabilidade administrativa, pode se configurar perante o administrador que não cumprir determinações desta ordem.

Além de Rio e Minas, os tribunais eleitorais de Roraima, Distrito Federal e Mato Grosso e o Tribunal Regional da 6ª Região não prestaram informações ao CNJ. Segundo Dipp, os números do levantamento revelam que a Justiça, em alguns estados, ainda “segue um regime feudal”, no qual cada desembargador tem sua cota de funções de confiança:

– Muitos deles não acreditam nas consequências (de não implementar a mudança de gestão), outros não têm vontade política de implementá-las.

Ele explicou que cabe ao Ministério Público decidir se deve ou não representar contra os chefes de tribunais que não entregaram os dados.

No caso dos tribunais que não cumprem os limites de cargos comissionados impostos pela resolução, o corregedor afirma que dois procedimentos serão adotados: inicialmente, o CNJ tentará achar mecanismos para exonerar os comissionados e fazer concurso público. Caso haja resistência, o conselho poderá entrar com um processo de controle administrativo, para determinar mudanças na gestão de recursos humanos.

Além do risco de nepotismo cruzado ou indireto, Dipp disse que o efeito mais danoso para o cidadão é a contratação de pessoas desqualificadas. O presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Mozart Valadares, disse que os dados do CNJ são graves, mas não surpreendem. Para ele, não há dúvida de que os cargos comissionados servem de estímulo ao nepotismo cruzado:

– A exoneração de 50% desses comissionados não implicaria prejuízo algum à Justiça. Pelo contrário, melhoraria a gestão e a eficiência do sistema.

Fonte: O Globo On Line

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s