Briga de família motivou envio de bomba para juíza em São Paulo

by

Adauri Antunes Barbosa
adauri@sp.oglobo.com.br

Flávio Freire
flavio@sp.oglobo.com.br

SÃO PAULO. Uma briga de família envolvendo a guarda de uma criança foi o que motivou uma pessoa a deixar uma bomba no fórum de Rio Claro, interior de São Paulo. O alvo do artefato, que feriu duas pessoas, seria a juíza Cynthia Andraus Carreta, que, por determinação do Tribunal de Justiça, passou a andar com escoltas e de carro blindado.

O presidente do TJ-SP, Ivan Sartori, revelou ontem mais detalhes do crime, que vem sendo tratado com sigilo absoluto pela polícia. Sartori disse que a polícia já tem ideia de quem mandou o explosivo para a juíza, mas não poderia dizer nomes para não prejudicar as investigações.

— Apuramos que era um problema de guarda familiar de um menor, de um menino. Foi uma vingança, uma pessoa que tentou aterrorizar a juíza. O Judiciário não vai deixar que isso aconteça. Tomamos todas as providências necessárias para garantir a segurança dela — disse o desembargador.

Desembargador admite problemas de segurança

Para ele, o explosivo contra a juíza e as ameaças mostram que o exercício da função oferece muito perigo.

— Isso só mostra que a função de juiz oferece perigo, tem um desgaste muito grande, inclusive psicológico, porque trata com elementos de uma população que não tem educação para lidar com as pessoas e nem com um juiz.

Ontem, em Rio Claro, o delegado seccional Roberto Daher, que conduz as investigações, não quis dar muitos detalhes sobre o caso. De acordo com ele, a juíza já havia recebido ameaças indiretas.

— Ela recebeu algumas ameaças, não pessoalmente, mas por meio de e-mails e de blogs dirigidos a advogados que representam adversários das pessoas que estão sendo investigadas —- disse.

Como o fórum de Rio Claro não tem câmeras de monitoramento, a polícia vai analisar imagens de prédios próximos. Pelo menos sete pessoas prestaram depoimento ontem à polícia, entre eles o agente de fiscalização Menotti Ragazzi, que abriu o pacote endereçado à juíza. Nele havia um Papai Noel, no qual o agente colocou uma pilha. Assim que o brinquedo foi acionado, o artefato explodiu. Menotti teve ferimentos graves na mão esquerda.

Segundo Sartori, o Judiciário de São Paulo está sucateado e precisa de um sistema de segurança para seus 700 prédios no estado, incluindo o monitoramento com câmeras nos fóruns e a contratação de guardas armados, projeto que custaria R$ 210 milhões por ano, conforme informou ontem o presidente do Tribunal de Justiça. Segundo ele, todos os prédios da Justiça paulista têm problemas de segurança.

— O Judiciário está sucateado. Há hoje uma demanda avassaladora e não conseguimos acompanhar como deveríamos — afirmou Ivan Sartori.

Fonte: Folha de São Paulo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s