Luta agora é para tombar antigo Dops

by

Alessandra Mello

O prédio modernista da capital mineira que abrigou a Delegacia de Segurança Pessoal e de Ordem Política e Social (Dops) e que foi palco de torturas de presos políticos durante o regime militar pode ser tombado e transformado em um espaço dedicado à memória das vítimas da ditadura. Essa é uma das próximas batalhas da Associação de Amigos do Memorial da Anistia (Aama). A causa já ganhou o apoio do Ministério Público Federal, mas para sair do papel precisa passar pelo crivo da Assembleia Legislativa de Minas e do Conselho Estadual do Patrimônio Público. No entanto, ainda não há nenhum projeto nesse sentido em tramitação no Legislativo. Segundo a presidente da Aama, Maria Christina Rodrigues, essa é uma batalha antiga da associação, que luta para preservar a memória e o acervo histórico desse período da história brasileira.

Segundo Maria Christina, em vários estados as sedes dos antigos Dops foram ou estão sendo transformadas em locais para a preservação da memória da luta contra da ditadura. Caso do Rio de Janeiro, que anunciou no início deste mês a transformação do antigo edifício do Dops, no Centro da capital, em um espaço dedicado à memória das vítimas do regime militar. O prédio do antigo Dops de BH fica na Avenida Afonso Pena e faz parte de uma série de construções modernas assinadas pelo arquiteto José Ferreira Pinto, responsável também pelo prédio do Departamento de Trânsito, na Avenida João Pinheiro, e pelo edifício que abriga o Palácio dos Despachos, no Praça da Liberdade.

Hoje, em frente a esse prédio, onde funciona atualmente o Departamento de Investigação Antidrogas, a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça inaugura um monumento em homenagem aos 58 mineiros mortos e desaparecidos no regime militar. O nome de todos eles será inscrito em um marco de aço em forma de uma bandeira do Brasil. Ao todo serão inaugurados 14 marcos como esse em todos os estados onde militante foram mortos combatendo a ditadura. No mês que vem o Elevado Costa e Silva, na Região Oeste de Belo Horizonte, vai ser rebatizado com o nome de José Maria Magalhães, politico mineiro filiado ao então MDB, um dos 173 deputados federais cassados pelos militares. A troca de nome ocorrerá no dia 17.

Fonte: Estado de Minas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s